Ao povo brasileiro desejo um “Feliz Ânus Novo”!

Uma crítica ao estado brasileiro

O ano novo se aproxima e com ele os tradicionais, chatos, repetitivos e, muitas vezes, hipócritas,cumprimentos desejando um feliz novo.

Este incomparavelmente  lindo, gostoso, genial, porém o mais humildoso dos homens,  Barão de General Severiano, vem por meio destas bem traçadas linhas desejar ao povo  brasileiro é um

               Feliz Ânus Novo!

O ânus velho de nosso povo tá um labirinto de hemorroidas, causadas pelo estupro diário que sofre por parte de políticos ladrões e um Estado inepto e corrupto, que não cumpre suas obrigações constitucionais de oferecer  segurança, educação e saúde (no mínimo) de QUALIDADE, como reza nossa Constituição, ao nosso espoliado povo. Quando muito, o Estado distribui esmolas aos nossos milhões de miseráveis e ainda se vangloria de seu feito… mal feito.

Sem mais… Até mais.

Hoje é o Dia do Palhaço e do Povo Brasileiro

Hoje (10/12) é o Dia do Palhaço. Parabéns aos palhaços por levarem alegria às pessoas.

E parabéns a nós, o povo brasileiro, que todo dia somos feitos de palhaços sustentando um Estado obeso, burocrático, extremamente corrupto, patrimonialista e nepotista- que cuida muito bem dos seus apaniguados, e ainda se vangloria de distribuir esmolas a milhões de nossos miseráveis compatriotas, que são as principais vítimas desse mesmo Estado cínico e perverso.

Parabéns para nós, o povo do Brasil,  os verdadeiros palhaços da Nação!

Ser Botafogo é o maior dos títulos

O Botafogo e suas loucuras

 

O Botafogo é um clube estranho, diferente… diria que sedutor em sua insanidade.

Não temos mais títulos, não temos mais torcida, não somos o “maior” em nenhum dos frios quesitos matemáticos usados para comprovar a suposta grandeza de um clube. Constam, inclusive, nas tais estatísticas, inúmeros títulos roubados.

O Botafogo, senhores, é diferente dessa gente. Qual o único clube do mundo a ter um ditado só seu gravado na memória popular de seu país: o Botafogo, afinal “têm coisas que só acontecem ao Botafogo”, não é?

E é nosso o mais querido jogador guardado na memória afetiva de nosso povo: Mané Garrincha, a alegria do povo. Lindo, não? Um é rei, outro príncipe, mais outro imperador. Nós temos “a alegria do povo”.

Ah, e no auge do futebol brasileiro, quando o Brasil conquistou três Copas do Mundo num período de apenas 14 anos,quem foi o clube que mais colaborou com as conquistas? O Botafogo, claro.

E torcedor do Botafogo, como bem definiu o jornalista Lúcio Rangel, nem gosta de futebol, gosta do Botafogo. O futebol é apenas o detalhe que nos permite exercer nosso sagrado direito de amar um clube que não é o maior em nada segundo as frias estatísticas matemáticas dos que vivem de quantidade. São os óbvios, que só  sentem-se seguros seguindo manadas ou bandos esvoaçantes. Jamais poderão ser Botafogo. O Glorioso não é para os óbvios. É para os que são escolhidos pela estrela solitária do destino.

Ser Botafogo é o maior dos títulos, e isso nos basta.

Maitê, o Botafogo subiu, agora é com você

Maitê, agora é com você

Maitê, agora é com você!

O Botafogo já subiu.

Agora é a sua vez de pagar sua promessa de ficar nua se o Glorioso voltasse à 1ª divisão do Brasileirão.

Agora é você, bela Maitê, quem vai fazer a testosterona da rapaziada  subir.

Afinal, você continua linda e, como diz o ditado popular, panela velha é que faz comida boa…

Anda logo Maitê!

O povo alvinegro

Pelada quer te ver.

Pensamentos impensáveis do Barão (I)

Pensamentos do Barão de General Severiano
Os últimos serão os primeiros… a se foderem!
Se o tempo é o senhor da razão, quem não trabalha tá sempre com razão, pois tem tempo à vontade.
Acidente no Congresso Nacional: entre mortos e feridos, roubaram todos.
Quem canta mal às mulheres espanta.
Tadinha da loura, foi votar em trânsito e morreu atropelada.
Então vamos combinar: no Brasil não existe isonomia perante a lei, mas fisionomia.
Eu já fui de esquerda, hoje sou só canhoto.
Todo poder emana do povo e em seu nome é usurpado. 

Se o ser humano fosse bom de verdade, não apodreceria depois de morto.

 Como se tornar uma celebridade no Brasil: bunda grande e cérebro pequeno.

Se Deus tivesse levado ao menos 6 meses para fazer o mundo, em vez de 6 dias, teria feito coisa bem melhor. A pressa é inimiga da perfeição. 

 A melhor  autoajuda do Paulo Coelho foi à sua conta bancária. 

PS: A frase do quadro é de autoria do Barão de Itararé.

Quero ser burro

Ah, se outra vida vier a ter, uma certeza tenho: quero nascer burro. Homem-burro. Os burros são mais felizes. Não questionam, não têm grandes sonhos, acreditam nas asneiras que lhes dizem e, com a fé dos idiotas, vivem felizes. Não há por quê, nem como assim?  É sempre  sim, sim e sim. E assim vivem os burros.  Um sermão, uma bíblia, uma certeza- ainda que estúpida!- e encontram o Norte por onde seguem, em uma grande manada a caminhar pelo mundo. Felizes em sua burrice atávica.

A cada dia me convenço que ser burro é ser feliz. Não pensar, não questionar, não duvidar, crer…Virtudes, grandes virtudes! Vive-se e pronto. Seguir a manada, eis a grande sabedoria dos burros. Às vezes empacam. Nada que umas boas cacetadas não resolvam…

Estou aqui vendo uma foto de Hitler e fico pensando como pôde o povo alemão seguir uma figura tão grotesca. Não, não estou falando de ideologia, economia, filosofia, sociologia ou história, nada disso, estou falando da figura, dos trejeitos, do histerismo , da imagem disforme e ridícula do homem Hitler. Só a burrice pode explicar tamanha … burrice!

Sei não, mas desconfio que temos de estudar melhor a burrice humana. Uma História da Burrice. Uma Sociologia da Asnice- ou, quem sabe?, um novo ramo da filosofia: Epistemologia da Burrice- ou ainda, para os marxistas, Uma Dialética da Burrice. O campo é amplo e a burrice humana infinita. Mas que deve ser muito bom ser burro, lá isso deve.

Meus amigos, fiquem avisados, se partirem desta para outra melhor (olha a burrice aí de novo, ficar dentro de um buraco, todo tapado, sem respirar; ou, tendo como opção, ser queimado, é passar para a melhor…) antes de mim e encontrarem o pessoal do Departamento de Reencarnação, reservem logo minha passagem de volta: quero reencarnar como burro! Atavicamente burro! Um asno primordial!

( Texto de 26/10/2010)