Piada pronta: banda toca ‘Amigos para sempre’ em cerimônia com Dilma e Temer

Tia Dilma Sapiens  e seu Vasco, quer dizer vice, o Conde Temer Drácula, participaram de uma cerimônia militar hoje em Brasília.

Após ambos cumprimentarem os oficias generais presentes à efeméride, a banda do exército tocou a música “Amigos para sempre”.

Momentos depois, continuando com a falsidade, os dois “inimigos para sempre” se cumprimentaram trocando venenosos beijinhos no rosto.

O amor à falsidade é mesmo lindo!

Esse ano de 2015 tá uma desgraceira só, mas que tá divertido, com baixarias para todos os calibres e gostos, lá isso tá.

A impagável notícia está no G1- Banda toca ‘Amigos para sempre’ em evento com Dilma e Temer

E-mail de Papai Noel para Dilma e Temer

Polo Norte, 12 de Dezembro de 2015

Dilma Roussef e Michel Temer,

Escrevo este e-mail no intuito de informar que ambos não vão ganhar presente de Natal.

Ando com o saco cheio das briguinhas, pirraças e falsidades na relação entre vocês dois.

Detesto crianças egoístas mimadas e manhosas, que só pensam em si.

Repetindo: meu saco está cheio de presentes e das confusões fúteis que os dois andam aprontando no Brasil, que vive profunda crise, da qual vocês têm boa parte da culpa. Portanto, comportem-se.

Ao Temer ainda digo que esse negócio de mandar cartinha discutindo a sua relação com a Dilma é a mais pura viadagem!

Além de coisa antiga (até eu já uso e-mail), é falta  de caráter e coragem: o correto seria ter ido ao Palácio do Planalto e dizer tudo na cara dela. Você, Temer, como o Vasco da Dilma, têm acesso direto a ela.

Tenham um feliz Natal! Mas sem presentes…

Papai Noel

Carta de Michel Temer para Papai Noel

A chefe de reportagem do Interrogações News em Brasília, Emídia Golpista, em um grande furo de reportagem conseguiu uma cópia da carta que o vice-presidente da República, Michel Temer- o nosso genérico do Conde Drácula- enviou ao Papai Noel.

Brasília, 08 de Dezembro de 2.015

Senhor Papai Noel,

Escrevo-lhe esta cartinha em tom de humilde desabafo.

Veja o senhor, meu querido bom terceiro-idosinho (usar o termo velhinho é preconceito, segundo as novas normas da Gramática Normativa do Politicamente Correto), que já estou há quase cinco longos anos sendo o Vasco da Gama da presidente Dilma, que não confia em minha pessoa, nem nas pessoas que compõe minha quadrilha, desculpe, foi um ato falho de minha vice pessoa, meu partido. O que não é justo, embora ela esteja coberta de razão.

Em sendo assim, queria que o senhor me desse de presente de Natal a Presidência da República, afinal o Brasil merece ter um homem bonito, charmoso e ga$to$o como eu na chefia da Nação.

Sou tão bonito e ga$to$o, Papai Noel, que uma mulher lindíssima- e uns cinquenta anos mais nova que eu- se apaixonou perdidamente por minha bela e Ga$to$a vice pessoa.

Abreviando a missiva, que não sou homem de perder tempo com meias palavras: ou o senhor me dá a porra da Presidência de presente de Natal ou ficarei de mal com o senhor, e para sempre!

Respeitosamente e no aguardo do cumprimento de meu desejo,

Michel Temer

Eu também não confio no Temer e no PMDB

O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP), escreveu uma carta à presidente Dilma rompendo com o governo. Diz em sua missiva que Dilma não confia nele nem no PMDB.
Ora, nisso Tia Dilma Sapiens tem carradas de razão: não dá pra confiar em uma quadrilha, quer dizer, partido, que tem entre seus quadros gente de status imoral como Eduardo Cunha, Zé Sarney, Renan Calheiros, Jader Barbalho, Romero Jucá, et caterva.
Eu, que sou mais prevenido, não confio nem em políticos e muito menos em governos. Só confio na Marieta, minha querida mula-sem-cabela-com-estrela-na-testa.

Só agora o PT começou a temer o vice Temer, mas temo que seja tarde demais…

Derrotada na Argentina, derrotada na Venezuela, em frangalhos no Brasil, a velha esquerda precisa olhar para dentro de si e identificar seus erros. Ficar apenas culpando a “direita”, o “aquecimento global”, as “elites brancas”, o FHC, a “mídia golpista” e o novo rebaixamento do Vasco não justifica a derrocada geral.

A notícia completa está na Folha de São Paulo