O manifesto feito pelos juristas”valentes” contra a Lava Jato foi obra do advogado da Odebrecht

 

Pois, é, o tal manifesto dos “valentes” juristas se posicionando contra o Operação Lava Jato foi concebido dentro da construtora Odebrecht, a principal responsável pelo saque à Petrobrás. A obra é do advogado de Marcelo Odebrecht, Nabor Bulhões. Marcelo, ex-presidente da Odebrecht, está preso desde junho em Curitiba, e é considerado pelo Ministério Público a principal cabeça do esquema que desviou bilhões da Petrobras (R$6,2 bilhões a própria empresa já reconheceu em seu balanço).
Sobre os cerca de 240 mil brasileiros presos sem julgamento e outros milhares que já cumpriram suas penas e continuam detidos, os defensores dos ricos e deprimidos não escrevem uma linha.
Aliás, mais uma vez o mundo tem de se curvar perante o Brasil: é o único caso na história, que eu saiba, de esquerdistas(?) defendendo empreiteiros corruptos que andaram saqueando os cofres do Estado brasileiro numa aliança espúria com políticos de vários matizes ideológicos e a cumplicidade($$$$$) de funcionários do próprio Estado.

Ah, antes que esqueça: não me peçam, em nome de qualquer ideologia, que eu seja conivente com corrupção, incompetência e burrice.

A notícia está no Brasil 247

Ao povo brasileiro desejo um “Feliz Ânus Novo”!

Uma crítica ao estado brasileiro

O ano novo se aproxima e com ele os tradicionais, chatos, repetitivos e, muitas vezes, hipócritas,cumprimentos desejando um feliz novo.

Este incomparavelmente  lindo, gostoso, genial, porém o mais humildoso dos homens,  Barão de General Severiano, vem por meio destas bem traçadas linhas desejar ao povo  brasileiro é um

               Feliz Ânus Novo!

O ânus velho de nosso povo tá um labirinto de hemorroidas, causadas pelo estupro diário que sofre por parte de políticos ladrões e um Estado inepto e corrupto, que não cumpre suas obrigações constitucionais de oferecer  segurança, educação e saúde (no mínimo) de QUALIDADE, como reza nossa Constituição, ao nosso espoliado povo. Quando muito, o Estado distribui esmolas aos nossos milhões de miseráveis e ainda se vangloria de seu feito… mal feito.

Sem mais… Até mais.

DE Natal quero ganhar uma propina legal bem gorda

Eu já pedi meu presente de Natal ao Papai Noel. É segredo, mas como sei que vocês não são fofoqueiros, vou contar.

Eu pedi ao bom terceiro-idosinho (dizer velhinho é preconceito) para ganhar uma propina bem grande de uma empreiteira.

Mas propina legal, rigorosamente dentro da lei, que nem  que nem as doações que os empreiteiros fazem aos partidos políticos: com nota fiscal, recibo de doação e tudo o mais.

Nós, brasileiros, somos mesmo foda! Inventamos a corrupção legal.

De Tiririca a titica: a involução do Brasil

Um poema sobre a corrupção brasileira

O Brasil

Tá complicado

Tem ladrão

Pra todo lado

Ladrão civil

Ladrão estatal

O país virou

Um imenso covil

De gatunos

De todos os quilates

Não sei

Onde isso

Irá parar

Mas do jeito que tá

Não dá pra ficar

O palhaço Tiririca

Um dia disse

Votem em mim

Que pior que tá

O Brasil não fica

O Tiririca foi eleito

E feio errou

O Brasil

Muito pior ficou

Se transformou

Em uma imensa e fétida

Titica!

 

 

 

Eduardo Cunha é um pouco a cara do Brasil

Eduardo Cunha corrupto

Oportunista. Cínico. Corrupto. Gosta de levar vantagem sempre. Não tem escrúpulos em usar o poder em benefício próprio. E gosta de ser assim, não faz questão de esconder que é um “canalha primordial” como diria o grande Nélson Rodrigues.

Assim é o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o odiado presidente da Câmara dos Deputados. Suspeito que o ódio que muitos devotam a ele, não passa de um reflexo… É isso mesmo, o Cunha é apenas o reflexo da sociedade que construímos. E muitos dos que o odeiam defendem canalhas tão ou mais canalhas que o Cunha- mas, sonsos que são, são canalhas com  discurso ideológico politicamente correto, que falam em igualdade e justiça social para encobrir suas falcatruas e enganam muitos desavisados com isso… Roubam, mas não em benefício próprio, dizem os ladrões politicamente corretos, mas sim em nome da suposta “causa” que defendem.

Ainda bem que  Polícia Federal não pensa assim, e está engaiolando estes gatunos supostamente politicamente corretos aos borbotões. Cínicos é o que na verdade são.

Ah, e não odeio o Cunha, ele é um digno representante de sua agremiação partidária, o PMDB, que eu sempre afirmei não ser um partido político, mas sim uma quadrilha organizada para saquear o Estado brasileiro.

José Sarney, Renan Calheiros, Michel Temer, Eduardo Cunha, Jader Barbalho, Moreira Franco, Romero Jucá, a família Picciani… Esses, juntos, formam o quê?

Que o Cunha tenha a punição que merece, mas ele é apenas uma pequena engrenagem da gigantesca teia de corrupção que enredou todo o Estado brasileiro.

Eu odeio a corrupção, não o Cunha.

Uma corrupção não justifica a outra

Aqui no Brasil criou-se uma nova tese de defesa para corruptos em geral. Quando alguém é acusado de ser corrupto, o cidadão se defende dizendo, cinicamente, que “sou, mas o fulano também é…”

O mesmo ocorre com nossos partidos políticos, que acusam seus adversários de serem os maiores corruptos da face da Terra; mas afaga seus corrutinhos como os mais honestos dos corruptos.

Ora, isso não absolve ninguém, ao contrário, todos são corruptos.

Resumindo a questão:

Uma corrupção não justifica a outra; nem um corrupto absolve o outro.