Pensamentos “burros” do Barão

Ministro da Saúde diz a asneira do ano

 

O maior problema da humanidade é que a burrice se reproduz no atacado; a inteligência no varejo.

Talvez a maior vantagem de ser burro é o simples fato que a burrice não  incomoda ao burro, nem a dele e muito menos a alheia.


Alguém conhece algum burro deprimido, com questionamentos existênciais ou preocupado com o efeito estufa, por exemplo?  Ele quer é estar com a barriga estufada de comida… O resto que se dane!

 O pior burro é o que pensa que pensa.

Nunca duvide de um burro…

Eu sou burrinho, mas ainda vou me tornar um grande e famoso burrão- politicamente correto, como devem ser os burros que se prezam.

Emburrecer ou não emburrecer, eis a questão?

Quero ser burro

Ah, se outra vida vier a ter, uma certeza tenho: quero nascer burro. Homem-burro. Os burros são mais felizes. Não questionam, não têm grandes sonhos, acreditam nas asneiras que lhes dizem e, com a fé dos idiotas, vivem felizes. Não há por quê, nem como assim?  É sempre  sim, sim e sim. E assim vivem os burros.  Um sermão, uma bíblia, uma certeza- ainda que estúpida!- e encontram o Norte por onde seguem, em uma grande manada a caminhar pelo mundo. Felizes em sua burrice atávica.

A cada dia me convenço que ser burro é ser feliz. Não pensar, não questionar, não duvidar, crer…Virtudes, grandes virtudes! Vive-se e pronto. Seguir a manada, eis a grande sabedoria dos burros. Às vezes empacam. Nada que umas boas cacetadas não resolvam…

Estou aqui vendo uma foto de Hitler e fico pensando como pôde o povo alemão seguir uma figura tão grotesca. Não, não estou falando de ideologia, economia, filosofia, sociologia ou história, nada disso, estou falando da figura, dos trejeitos, do histerismo , da imagem disforme e ridícula do homem Hitler. Só a burrice pode explicar tamanha … burrice!

Sei não, mas desconfio que temos de estudar melhor a burrice humana. Uma História da Burrice. Uma Sociologia da Asnice- ou, quem sabe?, um novo ramo da filosofia: Epistemologia da Burrice- ou ainda, para os marxistas, Uma Dialética da Burrice. O campo é amplo e a burrice humana infinita. Mas que deve ser muito bom ser burro, lá isso deve.

Meus amigos, fiquem avisados, se partirem desta para outra melhor (olha a burrice aí de novo, ficar dentro de um buraco, todo tapado, sem respirar; ou, tendo como opção, ser queimado, é passar para a melhor…) antes de mim e encontrarem o pessoal do Departamento de Reencarnação, reservem logo minha passagem de volta: quero reencarnar como burro! Atavicamente burro! Um asno primordial!

( Texto de 26/10/2010)