Tempo feliz

O melhor dos tempos é o que perdemos com os amigos

Por falta de tempo

Perdemos o mais precioso

De todos os tempos

O tempo de nada fazer

De perder tempo

Proseando com os amigos

É o tempo perdido

Mais útil que podemos ter

Em  verdade

É tempo ganho

Tempo feliz.

 

 

 

Anúncios

Poema terno

Poesia sobre o tempo

O mundo gira

A cada dia

Mais rápido

 

Eu

contramão

Giro a cada dia

Mais lento

 

Hoje ganhei um tempão

Apreciando um beija-flor

Beijando delicadamente

Uma linda flor

 

Ao fundo

Fazendo a trilha sonora

De tão delicado amor

A sabiá emitia

Seu belo e suave canto

Que encanto!

Brasil injusto

Um poema sobre o Brasil e suas injustiças

O Brasil nasceu injusto!

Foi descoberto…

Mas como?

E os vários povos

Que aqui já estavam?

Não eram seres humanos?

Não! Claro que não!

 

Depois vieram os negros!

Escravos…

Um bem material

Como outro qualquer

E sujeitos a todo tipo

De perversões e injustiças

Mas como?

Não eram seres humanos?

Não! Claro que não!

Nem alma tinham

Segundo a Santa Madre

E nada piedosa

Igreja católica da época

 

E assim foi construído

O injusto país

Chamado Brasil

 

E de injustiça em injustiça

De descalabro em descalabro

Deu nisso

Que vemos hoje

Um país sem compromisso

Com seu povo

Onde um Estado safado

Cuida bem dos seus

E ao resto

Milhões de brasileiros

Os mais necessitados

Trata quase como

Hitler tratava os judeus

Mas como?

Não são seres humanos?!

 

A minha liberdade

Texto sobre ser livre

Só por hoje eu não estou… empoderado!

Só por hoje não tenho nenhum… pertencimento!

Só por hoje eu continuo não acreditando em governos!

Só por hoje, e desde sempre, eu não acredito em salvadores de pátrias e almas- são embusteiros!

Só por hoje não acredito em absolutismos- religiosos ou ideológicos!

Só por hoje continuo acreditando que só o questionamento e a dúvida são a base do saber e da liberdade!

Só por hoje tenho a certeza que o único estado que conduz à liberdade é o de homens cujo estado de espírito é livre e contestador!

Pequeno Poema-Sebastião Gama

Poema sobre o nascimento e o amor de mãe

Belíssimo e terno poema do poeta português Sebastião Gama.

Sebastião Artur Cardoso da Gama (1924-1952) foi um poeta e professor português, licenciou-se em Filologia Românica, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 1947.

 

Quando eu nasci,
ficou tudo como estava,
Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve Estrelas a mais…
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.

As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém…

P’ra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe…

 

Esta manhã encontrei o teu nome- Maria do Rosário Pedreira

 

Esta manhã encontrei o teu nome nos meus sonhos
e o teu perfume a transpirar na minha pele. E o corpo
doeu-me onde antes os teus dedos foram aves
de verão e a tua boca deixou um rasto de canções.No abrigo da noite, soubeste ser o vento na minha
camisola; e eu despi-a para ti, a dar-te um coração
que era o resto da vida – como um peixe respira
na rede mais exausta. Nem mesmo à despedida

foram os gestos contundentes: tudo o que vem de ti
é um poema. Contudo, ao acordar, a solidão sulcara
um vale nos cobertores e o meu corpo era de novo
um trilho abandonado na paisagem. Sentei-me na cama

e repeti devagar o teu nome, o nome dos meus sonhos,
mas as sílabas caíam no fim das palavras, a dor esgota
as forças, são frios os batentes nas portas da manhã.

 

Maria do Rosário Pedreira (1959) é  uma poeta portuguesa, editora e escritora. Desempenha actualmente funções no grupo Leya, depois de ter passado pela editora QuidNovi, pela Temas & Debates e pela Gradiva.

Sou tarado e mal-educado- um poema esculhambado e pornográfico

Alguns pensamentos do Barão

 

eu sou mau
e cara-de-pau
gosto de sexo oral
e sexo anal
mas não gosto
de sexo virtual

não gosto de missa
gosto é de mulher submissa

não gosto de santo
gosto de causar espanto

tenho parte com o capeta
por isto gosto tanto de buceta

não sou politicamente correto
mas meu pênis
à toa fica ereto

sou tarado
e mal-educado
e não quero ser amado
quero ser excomungado

e quem do meu poema não gostou
é porque com inveja
de meu talento ficou

mas nada me enerva
pois quando me irrito
mando todo mundo
à merda!

 

Dizem, desde quando eu era criança, que sou do contra e espírito de porco.Do contra, na verdade, sou sempre a favor; quanto ao espírito de porco, embora tome dois banhos por dia, no mínimo, acho que sou… Se rir dessa ridícula e falsa moralista humanidade é ter espírito suíno, podem ter certeza que sou, e com prazer inaudito. Zatonio Lahud