Sobre nacionalismo, Marx,Tia Dilma e a negação do óbvio

Alguns pensamentos do Barão

 

Logo após vetar uma proposta de auditoria pública em nosso estratosférica dívida interna, Tia Dilma Sapiens liberou R$ 816 milhões para as diversas quadrilhas que se autodenominam partidos políticos no Brasil. Talvez uns 2 ou 3, se tanto, o sejam na acepção verdadeira do termo.
Depois de ver coisas assim, como se sente o “contribuinte obrigatório” quando ela fala em aumentar impostos para debelar uma crise pela qual ela é a principal responsável?
Ah, e para completar, ela vai falando tratando a pobre língua portuguesa aos pontapés quando tenta justificar seus atos, pois é incapaz de formular uma única frase com início, meio e fim com sua verborragia destrambelhada e ininteligível.

Só pra recordar

Queria lembrar a alguns autointitulados nacionalistas que Hitler, Mussolini, Franco, Salazar e outros ditadores, como o nosso Médici, também eram nacionalistas exacerbados.
O partido nazista de Hitler, na verdade, se chamava Partido Nacional Socialista, e o slogan do governo Médici, o mais repressor da ditadura militar brasileira, era o sintomático “Brasil, ame-o ou deixei-o.”
Deve ser por coisas assim que Samuel Johnson, escritor e pensador inglês, cunhou sua célebre frase que diz que “o patriotismo é o último refúgio dos canalhas”.
Frase premonitória, já que Johnson viveu entre 1709 e 1784.

“A produção capitalista produz, com a inexorabilidade de um processo natural, sua própria negação. É a negação da negação.” –Marx, O capital. Livro I Cap.

No Brasil atual tem-se uma nova vertente da dialética marxista, criada no intuito de negar a realidade e tentar justificar o injustificável: é a negação da negação do óbvio.
Pobre Marx…

Anúncios

Sobre coxinhas, petralhas e a crise chinesa

Ironizando a ridícula briga entre coxinhas e petralhas

 

Bem, com a economia chinesa entrando em crise, o Brasil já tem a quem culpar pela recessão que atravessamos: a culpa é da China!
Estavam enganados os petralhas, que diziam que a culpa era do FHC, da “elite branca” e da mídia golpista; e os coxinhas, que afirmavam que a culpa era do PT do Lula e da Dilma.
A culpa, pois, é dos comunas-capitalistas comedores de criancinhas de olhos puxados e da “elite amarela”. Tudo resolvido.

Paradoxo coxinha

Coxinha que se preze jamais come coxinha de galinha, comida de petralha, come caviar- ou diz que come.

Um resumo do Brasil de 2015

Um poema sobre o Brasil e suas injustiças

Tirando as desgraças, que foram muitas,  as dúzias de corruptos presos pela Operação Lava Jato e o retorno do glorioso Botafogo à Série A do Brasileirão, o que não foi mais que obrigação, eis um resumo do que aconteceu no Brasil em 2015:

Em janeiro:

  • Coxinhas!
  • Petralhas!
  • Fascistas!
  • Comunistas!
  • Vai pra Cuba!
  • A culpa é do FHC, da elite branca e da mídia golpista!
  • A culpa é do Lula e do Dilma!
  • Impeachment já!
  • Golpistas!

E assim viemos até dezembro, com algumas pequenas variações nos impropérios tanto à direita quanto à esquerda.

Resumindo: uma briga de um governo medíocre com uma oposição tão medíocre quanto, só podia dar no que deu: em um ano mais que medíocre.

Brasil inventa governo de esquerda à direita

 

Nós, brasileiros, somos mesmo foda!
Inventamos o governo de esquerda à direita.
O ministro da Fazenda do governo dito de esquerda é empregado do 2º maior banco privado do país, o Bradesco. Isso porque o presidente do banco não quis o cargo e designou seu subalterno, Joaquim Levy, para ser o ministro.
A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, a mais nova amiga de infância de Tia Dilma Sapiens, é a principal representante do agronegócio no país- e, se bobear, está à direita da revista Veja.
O principal líder desse governo dito de esquerda, Lula,  andou viajando o mundo dando “palestras” regiamente pagas por grandes empreiteiros- que estão todos em cana por terem roubado bilhões dos cofres públicos. Alguém consegue imaginar o José Mujica, ex-presidente do Uruguai, viajando em aviões de empreiteiras e dando palestras pagas por elas?
Isso é como o velho ditado que diz que à mulher de César não basta ser honesta, ela tem de parecer honesta.
Mas eu também não sei de nada, não vi nada, tô por fora… Sou apenas um burrinho sapiens que vai ser taxado de reacionário pelos revolucionários do governo de esquerda à direita da Veja.
O resultado dessa mixórdia, que mistura discurso de esquerda, ações de direita e populismo barato (caro, em verdade) deu nessa zona que estamos vendo hoje. É a volta do Samba do Crioulo Doido, criação do genial Stanislaw Ponte, que hoje teria de ser rebatizado com o pomposo nome de “Samba do Cidadão Afrodescendente com Problemas Mentais”.

Uma canção para mim- Bruno Junger Mafra

UMA CANÇÃO PARA MIM

Lá pras bandas
do oriente médio
entre Jordânia
e Israel
existe um lago
chamado Mar Morto

Aqui no Brasil
entre Espírito Santo
e Minas Gerais
fruto de tudo que nasce
e vive
torto
um rio morre entre ais
e logo será Rio Morto

A diferença é que o Mar Morto
morreu de morte
morrida
enquanto o rio morre
de morte matada

matada e desprezada
menos pelo povo
dividido agora
entre ódio pela maldade
e logo logo
pelo ódio da saudade

Pois todos sabem
que o Rio Doce
morre
com requintes
de crueldade

– Bruno Junger Mafra –

Entrar no Paraíso Brasileiro é um inferno para quem é pobre

Zequinha faleceu tem quase um ano. Bom filho, bom amigo, bom marido, bom pai, bom cristão. Sua bondosa alma foi direto ao paraíso. O brasileiro. Se não sabem fiquem sabendo: o paraíso também é dividido em estados… celestiais.

Com uma folha corrida espiritual pra lá de limpa, nosso Zequinha chegou todo pimpolho ao portal de entrada do Paraíso Brasil para gozar sua merecida aposentadoria eterna.

Mas esbarrou na burocracia celeste brasileira. O porteiro, um negão afrodescendente forte pra cacete, barrou o Zequinha e pediu sua documentação post-mortem. Zequinha, que quase morreu de novo, desta feita de susto, e disse que não sabia que precisava de documentação para entra no paraíso.

Jorjão, o chefe da portaria, com ar de poucos amigos, disse ao aparvalhado Zeca:-“Tá pensando o quê, chefia? Isso aqui é a eternidade do Brasil… Toma aí a lista de documentos para ingressar aqui, se quiser te arrumo um despachante meu chapa que agilizará sua entrada. É um pouco mais caro, mas muito mais rápido e minha pessoa, como conhece o trabalho dele, faz vista grossa para algum detalhe que estiver faltando. Eis a lista de documentos necessários para legalizar sua entrada no Paraíso Brasil…

Ao ver a lista, o espírito do Zequinha ficou vermelho… de raiva!

Eis os documentos necessários para o ingresso no Paraíso Brasil: certidão de nascimento, certidão de casamento averbada em cartório, título de eleitor e um nada consta da Justiça Eleitoral do Brasil terreno, CPF, Identidade, certidão negativa da Receita Federal, certificado de reservista, passaporte celestial, carteira de motorista e o documento mais importante: a certidão de óbito.

Tá lá o nosso bom Zequinha, pedindo esmola na porta do Paraíso- e, com outros companheiros de agruras, acaba de fundar o MSP- Movimento dos Sem-Paraíso-, para ver se conseguem o que lhes é de direito.

Ao lado da porta principal do Paraíso Brasil tem outra, só para os que têm curso superior, políticos, empresários e altos funcionários da burocracia estatal, que têm passaporte diplomático celeste para ingressarem sem burocracia e sem investigação de suas vidas pregressas no burocrático, elitista, fisiologista, patrimonialista, nepotista e injusto Paraíso Brasil.