Em 1989 vieram de São José do Calçado ( ES ), minha terra natal, cerca de dez amigos botafoguenses para assistir à final do Campeonato Carioca em que vencemos o Flamengo e interrompemos o jejum de infinitos 21 anos de sofrimento, período em que ficamos sem ganhar um mísero título. À época eu morava em Niterói, meus pais eram vivos, e a horda de pinguços ficou  hospedada lá em casa.
Dentre estes amigos veio o Ferrugem, o mais velho da tropa e chefe da torcida organizada (?) do Glorioso lá em Calçado- a  Fogo de Fogo. Ferrugem, naquele tempo, cultivava com carinho e denodo, uma barriga com o diâmetro exato de um barril de chope ( daqueles de 60 litros ). Detalhe: nosso herói  tem a língua “plesa” e não pronuncia as letras B e F. Bêbado então…
Quando termina a partida, todos comemorando a conquista do sonhado título, a torcida alvinegra começa a cantar o hino do clube. Ao meu lado o emocionado Ferrugem, ajoelhado e com sua virtuosa pança tocando o cimento da arquibancada, chorava copiosamente- lágrimas amarelas e espumantes, creio que provocadas pelo excesso de cerveja-, e cantava a plenos pulmões: Otaogo/ Otaogo/ Campeão desde 1907/ Foste herói em cada jogo/ Otaogo…
Olhei a hilária cena e abracei meu amigo que, muito feliz, passou a entoar o canto de guerra da torcida botafoguense: Ogooooooooooooooo! Ogooooooooooooooooooooooooooooo!
Foi uma longa e feliz noite. Acho que a mais feliz de nossa vidas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s